Painel Uruguai
Informe OPSA:







 

Argentina

Argentina

Argentina: Bertone vence segundo turno em Tierra del Fuego.
Bolívia

Bolívia

Bolivia: Morales promulga lei de conciliação e arbitragem e empresários prometem investimentos.
Brasil

Brasil

Brasil: Dilma faz primeira visita aos EUA após crise da espionagem.
Chile

Chile

Chile: Eyzaguirre é o novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República.
Colômbia

Colômbia

Colômbia: Santos recebe primeiro-ministro francês.
Equador

Equador

Equador: Manifestações contra políticas do governo continuam no país.
Paraguai

Paraguai

Paraguai: Campesinos voltam a ocupar terras em Curuguaty.
Peru

Peru

Peru: Primeiro Gabinete Binacional termina com apoio à causa marítima boliviana.
Uruguai

Uruguai

Uruguai: Mobilizações relembram os 42 anos do golpe militar.
Venezuela

Venezuela

Venezuela: Eleições parlamentares são marcadas para o dia 6 de dezembro.
Argentina
Bolívia
Brasil
Chile
Colômbia
Equador
Paraguai
Peru
Uruguai
Venezuela

 

 

fechar

 

 

Uruguai: Mobilizações relembram os 42 anos do golpe militar.

 

28/06 – Em 27 de junho de 1973, o ex-presidente do Uruguai, Juan María Bordaberry fechou as Casas do Legislativo e promoveu um golpe de estado, conjuntamente com uma cúpula militar, instalando um Conselho de Estado, impondo sanções à imprensa, limitando as liberdades individuais e suspendendo a atividade partidária. A instauração do golpe foi seguida por uma greve geral convocada pela Convenção Nacional de Trabalhadores (CNT). Os 42 anos da data foram relembrados por movimentos sociais e entidades de classe, com destaque para a Organização dos Familiares de Detidos e Desaparecidos. Em nota oficial, a organização argumentou que, em 30 anos de redemocratização, apenas quatro corpos foram encontrados e os criminosos seguem impunes, concluindo que “a verdade segue ausente”. O documento, endereçado ao Ministério da Justiça, demanda a instauração de inquéritos e a resolução efetiva dos casos, clamando por justiça, transparência e democracia. A necessidade de colaboração da justiça foi classificada pela organização como uma dívida com a sociedade, para a resolução de crimes de lesa humanidade.